terça-feira, 25 de dezembro de 2012


Pensões … Bagão Felix

“Haverá casos em que a soma de todos os tributos numa cascata sem decoro (IRS com novos escalões, sobretaxa de 3,5%, taxa adicional de solidariedade de 2,5% em IRS, contribuição extraordinária de solidariedade (CES), suspensão de 9/10 de um dos subsídios que começa gradualmente por ser aplicado a partir de 600 euros de pensão mensal!) poderá representar uma taxa marginal de impostos de cerca de 80%! Um cataclismo tributário que só atinge reformados e não rendimentos de trabalho, de capital ou de outra qualquer natureza!

Sendo confiscatório é também claramente inconstitucional.

Aliás, a própria CES não é uma contribuição. É pura e simplesmente um imposto. Chamar-lhe contribuição é um ardil mentiroso. Uma contribuição ou taxa pressupõe uma contrapartida, tem uma natureza sinalagmática ou comutativa. Por isso, está ferida de uma outra inconstitucionalidade.

 

Estranhamente, os partidos e as forças sindicais secundarizaram ou omitiram esta situação de flagrante iniquidade. Por um lado, porque acham que lhes fica mal defender reformados ou pensionistas desde que as suas pensões (ainda que contributivas) ultrapassem o limiar da pobreza. Por outro, porque tem a ver com pessoas que já não fazem greves, não agitam os mass media e não têm lobbies organizados.”

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Nuno Santos: “Caso é um pretexto para justificar afastamento”

O ex-director de informação da RTP Nuno Santos disse esta quinta-feira que o processo envolvendo as imagens da manifestação em frente ao Parlamento, a 14 de Novembro, foi "um pretexto para obter e, depois, justificar" a sua demissão.
 
"Não autorizei em momento algum, e quero deixar isso bem claro, o visionamento de 'brutos' sobre os incidentes de 14 de Novembro", reiterou hoje Nuno Santos à agência Lusa.
A "não saída" dos DVDs da RTP, cuja transcrição, diz Santos, fora feita sem o seu conhecimento, deveu-se à contribuição do então director de informação e do seu adjunto, Vítor Gonçalves."
 

E agora? Onde está a verdade?


1ª A PSP viu ou não as imagens não editadas? Parece que não há dúvidas na obtenção da afirmativa.
2ª Houve ou não gravação em DVD(s) das imagens? Também terá acontecido.
3ª Então, quem permitiu a entrada aos elementos da PSP?
4ª Quem os conduziu à sala onde visionaram as imagens?
5ª Quem ligou os aparelhos para verem e depois gravar?
Finalmente,
6ª Quem impediu a PSP de sair com as gravações?

Devia ser para isto que serviria o Inquérito logo aberto e depressa fechado. Se o Nuno Santos está de consciência tranquila deve limpar a sua honra e consideração pessoal e profissional, fazendo-os provar em Tribunal as acusações. 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Queda de dogmas! Não, baralhar e dar de novo.

Papa diz que calendário cristão é baseado em erro de cálculo e Presépio não tinha animais. 

Ideia é defendida por Bento XVI no último livro da trilogia "Jesus de Nazaré", publicado ontem.

                
Papa diz que calendário cristão é baseado em erro de cálculo
Alessandro Bianchi/Reuters
O erro sobre o ano de nascimento de Jesus Cristo utilizado para o início do calendário cristão terá sido cometido no século VI pelo monge Dionysius Exiguus, defende o Papa Bento XVI no último livro da trilogia "Jesus de Nazaré", ontem publicado.
"O cálculo usado para o princípio do nosso calendário - baseado no nascimento de Jesus - foi efetuado por Dionysius Exiguus, que se enganou nas suas estimativas em alguns anos", refere o Papa no seu novo livro, dedicado aos primeiros anos da vida de Jesus.
A Bíblia não refere uma data específica para o seu nascimento e Dinosysius Exiguus parece ter baseado as estimativas nas referências vagas quanto à idade com que Jesus começou a pregar e ao facto de ter sido batizado durante o tempo do Imperador Tibério.

Jesus pode ter nascido entre o ano 6 e 4 a.C. 

Além da data, o Papa contesta também a existência de animais na cena bíblica do nascimento de Jesus, conforme é habitualmente reproduzida nos presépios de Natal, e reafirma a virgindade de Maria como uma verdade "inequívoca" da fé.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/papa-diz-que-calendario-cristao-e-baseado-em-erro-de-calculo=f768786#ixzz2D4jOcxO8
 
OPINIÃO DESCOMPROMETIDA
Acredito que hajam elementos históricos que permitam opinar sobre a data certa do nascimento de Cristo. Acredito que aqueles ou outros documentos históricos permitam reconstituir o lugar e ambiente do nascimento. Mas, juntar a esse estudo de investigação  e pesquisa académicos, sem dúvida de relevar e aplaudir,  um "inequívoco" acto de fé, como o é, diz o Papa,  a virgindade de Maria, é desvirtuar e desvalorizar as conclusões do estudo e trabalho publicado.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

ASAE

Esta anedota é uma boa caricatura dos pequenos poderes de alguns agentes da autoridade, que vão muito para além do excesso de zelo, a coberto de uma farda.
 
Um agente da ASAE vai a uma propriedade e diz ao dono, um velho agricultor:
- "Preciso inspeccionar a sua propriedade. Há uma denúncia de plantação ilegal."

O agricultor responde:
-"Ok, inspeccione o que quiser, mas não vá àquele campo ali."
E aponta para uma determinada área.
...
O agente da ASAE diz indignado:
- "O senhor sabe que tenho o poder da autoridade comigo?" E tira do bolso um crachá mostrando ao agricultor:
- "Este crachá dá-me a autoridade de ir onde quero .... e entrar em qualquer propriedade. Não preciso pedir ou responder a nenhuma pergunta. Está claro? Fiz-me entender?"

O agricultor, muito educado, pede desculpa e volta para o que estava a fazer.

Poucos minutos depois, ouve uma gritaria e vê o agente de autoridade a correr para salvar e sua própria vida perseguido pelo Asdrúbal, o maior touro da quinta.
A cada passo o touro vai chegando mais perto do agente, que parece que será apanhado antes de conseguir alcançar um lugar seguro.
O agente está apavorado.

O agricultor larga as ferramentas, corre para a cerca e grita com todas as forças de seus pulmões:
- "O Crachá, mostre-lhe o CRACHÁ!"

 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

.
Chamem-me o que quiserem, por Henrique Monteiro
.
Este texto é um exercício de lógica sobre a moral na política
.
Todo o esforço - tem-se afirmado - é feito em nome da diminuição da dívida e do salutar e moral desejo de pagar a quem o Estado deve dinheiro. Mas, vejamos se é assim.
.
Os reformados e pensionistas (que descontaram efetivamente) são, também eles, credores do país. Na verdade, fizeram um contrato segundo o qual, a um desconto por mês ao longo da vida de trabalho, corresponderia uma determinada reforma. Essa reforma foi sendo degradada ao ano após ano, e por fim diminuída, em nome da necessidade de... se pagar as dívidas.
 
Mas qual é a diferença moral entre a dívida aos mercados e a dívida aos reformados? Nenhuma (e a haver seria a favor dos mais desprotegidos)! A única diferença está no poder de quem as cobra. O Estado já recebeu o dinheiro dos atuais reformados e sabe que deles não receberá mais, salvo o que recupera por via dos impostos. Mas ainda conta com o dinheiro dos mercados para poder voltar a financiar-se.
 
E por aqui se vê que a moral, na política, é coisa que dificilmente existe. Em boa verdade, nunca existiu e é por isso que discursos excessivamente moralistas, ou acabam em ditaduras ou autênticas em palhaçadas.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

A INSUSTENTABILIDADE
                           SEGURANÇA SOCIAL /CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES

A Segurança Social nasceu da Fusão (Nacionalização) de praticamente todas as Caixas de Previdência existentes, imediatamente ao 25 de Abril de 1974, através de nacionalização.

As Contribuições que entravam nessas Caixas eram das Empresas Privadas/patrões (23,75%) e dos seus Empregados (11%).

O Estado nunca lá pôs 1 centavo.


 
De seguida, o Estado passou a gerir, como sabe, todo aquele dinheiro, começando a distribui-lo conforme os interesses eleitorais.

- Pelas Associações dos amigos;

- Por atribuir Pensões a todos os Não Contributivos, quase sempre antes de atingirem os 50 anos (Domésticas, Agrícolas e Pescadores).
 
- Criando e distribuindo Subsídios para tudo e para todos, de que ressalta, no 1º Governo de Guterres (1995/99) o conhecido Rendimento Mínimo Garantido, hoje  RSI.

Os Governos não criaram Rubricas específicas nos Orçamentos de Estado, para contemplar estas necessidades.
 
1. Em 1998, uma Comissão da qual faziam parte, entre outros, os Profs. Correia de Campos e Boaventura de Sousa Santos, publicaram o "Livro Branco da Segurança Social". Uma das suas conclusões, é a de que o Estado já devia à Segurança Social, 7.300 Milhões de Contos, na moeda de hoje, cerca de 36.500 Milhões!!

2. Foi (e ainda será) intenção do governo baixar a TSU dos patrões, retirando desse modo proventos à S.S.
 
3. A partir de 2005, o Estado passou a admitir Funcionários que descontam 11% para a Segurança Social e não para a CGA e ADSE.

Porém, o Estado, enquanto Entidade Patronal não contribui como qualquer Empresa Privada/patrão com o desconto 23,75% para a SS,

Em conclusão, se quanto à S.S. as contribuições são cada menores e o Estado parece pretender isso mesmo - como vimos com a recente tentativa de mexer na TSU - isso só poderá levá-la à impossibilidade de continuar a pagar as pensões. O mesmo sucederá rapidamente com a CGA, pois se desde 2005, os Funcionários que o Estado admite descontam para a Segurança Social, de onde virá o dinheiro para pagar as aposentações futuras, se só sai e nada entra?
Anónimo (adaptado)
Haverá algum exagero, talvez, mas se não se arrepiar caminho...


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Descoberta nova obra de Picasso oculta sob outra tela


"Um minucioso restauro realizado pelo Museu Guggenheim de Nova Iorque permitiu localizar uma nova obra do pintor espanhol Pablo Picasso, descoberta por debaixo de outro dos seus quadros, intitulado "Mulher a passar a ferro".
Na obra original, correspondente à etapa azul do pintor, aparece uma mulher a passar a ferro, mas o restauro do quadro permitiu descobrir por debaixo uma figura masculina, de cabeça para baixo.
Os resultados obtidos graças a este restauro, que foi liderada pela principal curadora do museu nova-iorquino, Julie Barten, permitirão "melhorar" a bibliografia e saber mais sobre os métodos de trabalho de Picasso."

"Sermão do Bom Ladrão"

"Não são ladrões apenas os que cortam as bolsas. Os ladrões que mais merecem este título são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e as legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais, pela manha ou pela força, roubam e despojam os povos.
Os outros ladrões roubam um homem, estes roubam cidades e reinos; os outros furtam correndo risco, estes furtam sem temor nem perigo.
Os outros, se furtam, são enforcados; mas estes furtam e enforcam."

Padre António Vieira,

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Sociedades B - pessoas B

Suecos criam horários especiais para notívagos

 
 
A Suécia começa neste mês uma nova revolução social, com a introdução da chamada "Sociedade B" uma sociedade que leva em conta os diferentes ritmos biológicos dos indivíduos para introduzir horários alternativos de funcionamento para escolas, locais de trabalho, universidades e organizações.
 
A primeira instituição sueca a implementar o esquema é uma escola secundária de Gotemburgo, que a partir de setembro vai oferecer turnos opcionais entre 20h e 8h.
 
"Por que precisamos trabalhar todos no mesmo horário e enfrentar os mesmos engarrafamentos?", pergunta o manifesto do movimento B-Samfundet ("Sociedade B"). "Por que temos de correr ao mesmo tempo para pegar as crianças na escola antes que elas fechem? Por que tudo tem de funcionar nos mesmos ritmos e horários se isso causa problemas gigantescos na infra-estrutura da sociedade?"
 
O B-Samfundet tem origem na Dinamarca, onde foi criado no ano passado. Ainda neste outono europeu, a Sociedade B será introduzida na Noruega e na Finlândia, e para outubro está previsto o lançamento no Reino Unido.
 
A Sociedade B se baseia em pesquisas científicas que indicam que cada indivíduo tem seu próprio ritmo biológico, uma espécie de "relógio interno" que é geneticamente determinado.
Segundo essas pesquisas, uma "pessoa B" possui um ritmo interno de 25 a 27 horas, enquanto o de uma "pessoa A" tem um ciclo de 23 horas. As "pessoas B" são mais produtivas no final do dia e têm dificuldades de despertar de manhã cedo, que é quando as "pessoas A" são mais ativas.
 
"Nosso objetivo é acabar com as rígidas disciplinas de horário da sociedade industrial, em que todos chegam ao mesmo tempo e saem na mesma hora", disse em entrevista à BBC Brasil Erika Augustinsson, vice-presidente do B-Samfundet. "Vivemos em uma nova sociedade e queremos criar um novo jeito de viver, que respeite também os diferentes ritmos internos das pessoas".
 
Escolas
Erika destaca que esses diferentes ritmos biológicos também são uma realidade nas escolas, onde um grande número de crianças e adolescentes tem dificuldades de concentração pela manhã.
Ou seja, esses alunos não têm exatamente preguiça de levantar para ir à escola --eles são apenas "pessoas B".
 
 
A introdução do cronograma alternativo possibilita também o melhor aproveitamento das instalações da escola, que poderá absorver mais alunos.
 
 

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

linguagem vernácula e metafórica

.
Os termos jurídicos, como a demais linguagem técnica ou comum mudaram muito com os tempos.
 
No direito, a descrição dos factos acontecidos ou a narração das expressões exactamente proferidas manteve sempre a mesma essencialidade.
 
Este excerto de uma sentença, parecendo conter uma linguagem simultaneamente vernácula e metafórica, demonstra a intencionalidade da descrição tão real quanto possível dos factos, à época.
 
Gosto, especialmente desta parte:
 
... E levantando-lhe o faldistério, lhe encaixou o pífaro leiteiro no vaso natural e, esgaravatando, ficou consumada a desfloração...
 
 
 

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

A raiz do nosso problema



Anedota

Quando Deus fez o mundo, para que os homens prosperassem decidiu dar-lhes apenas duas virtudes.
Assim:
- Aos Suíços fê-los estudiosos e respeitadores da lei (?)
- Aos Ingleses, organizados e pontuais..

- Aos Argentinos, chatos e arrogantes (?)
- Aos Japoneses, trabalhadores e disciplinados.
- Aos Italianos, alegres e românticos.
- Aos Franceses, cultos e finos (?)
- Aos Portugueses, inteligentes, honestos e políticos.

O anjo anotou, mas logo em seguida, cheio de humildade e de medo, indagou:
- Senhor, a todos os povos do mundo foram dadas duas virtudes, porém, aos portugueses foram dadas três! Isto não os fará soberbos em relação aos demais povos da terra?
- Muito bem observado, bom anjo! exclamou o Senhor. Isto é verdade!
- Façamos então uma correção! De agora em diante, os portugueses, povo do meu coração, manterão estas três virtudes, mas nenhum deles poderá utilizar mais de duas simultaneamente, como os demais povos!


- Assim, o que for político e honesto, não pode ser inteligente.
- O que for político e inteligente , não pode ser honesto.
- E o que for inteligente e honesto, não pode ser político.!!!!!!


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Poema de uma funcionária pública (anónimo)


Eu quero lá saber

Da roubalheira e da alta corrupção

Que o Djaló esteja no Benfica ou no Casaquistão

Que não se consiga controlar a inflação


Eu quero lá saber

Que haja cada vez mais desempregados

Que deem diplomas e haja cursos aldrabados

Que me considerem reformado ou um excedentário?

Que se financie cada vez mais a fundação do Mário

Que se ilibe o Sócrates do processo

Que não haja na democracia um só sucesso


Eu quero lá saber

Que o Sócrates já não finja que namora a Câncio

Que o BCE se livre do pavão armado do Constâncio

Que roubem multibancos com retroescavadora

Que o Nascimento esburaque os processos à tesoura

Que deixe até de haver o feriado do 1º de Maio

Que a tuberculose seja mesmo um tacho pró Sampaio

Que em Bruxelas mamem muitos deputados

Que o Guterres trate apenas dos refugiados

Que a nós nos deixou bem entalados


Eu quero lá saber

Que ele vá a cento e sessenta e não preguem uma multa

Que amanhã ilibem os aldrabões da face oculta

Que o Godinho pese a sucata e abata a tara

Que pra compensar mande uns robalos ao Vara

Que o buraco da Madeira sobre também para mim

Que a Merkel se esteja borrifando pró Jardim


Eu quero lá saber

Que a corja dos deputados só se levante ao meio-dia

Que a "justiça" indemnize os pedófilos da Casa Pia

Que não haja aumentos de salários nem digna concertação social

Que os ministros e gestores ganhem muito e façam mal

Que Guimarães este ano se mantenha a capital

Que alguém compre gasolina na cidade de Elvas

Que só abasteça o condutor do Dr. Relvas

Que na Assembleia continuem 230 cretinos

Que nas autarquias haja muitos Isaltinos

Que o Álvaro por tu, ai esse sim hei de eu vir a tratar

Que se lixe o falar doce do grande ator Gaspar

Que morram os pobres e os velhos portugueses

Que eles querem é que fiquem só os alemães e os franceses


Eu quero lá saber

Que o Zé seja montado quer por baixo quer por cima

Que a justiça safe bem depressa o influente Duarte Lima

Que o bancário Costa não volte a dormir na prisão

Que o Cavaco chegue ao fim do mês sem um tostão

Que na Procuradoria continue o Pinto Monteiro

Que prós aldrabões tem sido um gajo porreiro

Que os offshores andem a lavar dinheiro

Que o BPN tenha sido gamado pelo Loureiro

Que no BPP prescrevam os processos do Rendeiro

Que à CEE presida um ex-maoista sacana e manhoso

Que agora é o snob democrata Zé Manel Barroso

Tudo isto já nada pra mim tem de anormal


Mas o que eu quero mesmo saber

é onde está o meu país chamado PORTUGAL

que isto aqui é vilanagem pura, roubalheira, corrupção

Meu Deus, manda de novo o Marquês de Pombal

antes que este povo inerte permita a destruição!!!


Maria (pseudónimo, claro!)

Funcionária Pública

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Sátira


Poema aos homens constipados e engripados

"Pachos na testa, terço na mão,
Uma botija, chá de limão,
Zaragatoas, vinho com mel,
Três aspirinas, creme na pele
Grito de medo, chamo a mulher.
Ai Lurdes que vou morrer.
Mede-me a febre, olha-me a goela,
Cala os miúdos, fecha a janela,
Não quero canja, nem a salada,
Ai Lurdes, Lurdes, não vales nada.
Se tu sonhasses como me sinto,
Já vejo a morte nunca te minto,
Já vejo o inferno, chamas, diabos,
Anjos estranhos, cornos e rabos,
Vejo demónios nas suas danças
Tigres sem listras, bodes sem tranças
Choros de coruja, risos de grilo
Ai Lurdes, Lurdes fica comigo
Não é o pingo de uma torneira,
Põe-me a Santinha à cabeceira,
Compõe-me a colcha,
Fala ao prior,
Pousa o Jesus no cobertor.
Chama o Doutor, passa a chamada,
Ai Lurdes, Lurdes nem dás por nada.
Faz-me tisana e pão de ló,
Não te levantes que fico só,
Aqui sozinho a apodrecer,
Ai Lurdes, Lurdes que vou morrer."

António Lobo Antunes


domingo, 9 de setembro de 2012

As más novas

A TSU e a salvação dos empresários
 
É verdade que não ouvi as recentes más notícias da boca do sr. primeiro ministro (as recentes, pois já antes houve más medidas e notícias desagradaveis), e as que hoje fui ouvindo, por interpostas pessoas,  deixam-me muitas perplexidades e muitas dúvidas.  
 
Não vou falar da conformidade constitucional, pois disso, já outros mais capacitados, botaram faladura. A minha principal dúvida assenta na prenda, bónus, recompensa, juro, lucro, vantagem, bonificação, prémio, dote, dádiva, recompensa, favor, presente, donativo, oferta, distinção .... que foi dada aos senhores empresários, às entidades patronais.
 
Não entendo, faço um esforço e continuo sem perceber. Claro que o problema pode ser meu, pois concedo que o sr. chefe do governo, até possa ter explicado tudo e muito bem, só que não o ouvi, como disse.
Entendam, Lamego estava em festa e só muito masoquismo me faria preterir as cantigas ao desafio, os bombos e os gigantões a prostar-me no sofá  e a flagelar-me com as más novas.
 
Por isso, peço aos meus amigos, que o ouviram, que me ajudem a perceber a razão da redução da contribuição das Entidades patronais para a Segurança Social (a chamada TSU).
 
É que, depois de vários "livros brancos" o governo já disse (tal com os anteriores) que a Segurança Social está descapitalizada e, a breve prazo, não terá fundos suficientes para manter os pagamentos das futuras pensões que terão (ainda mais) cortes substantivos.
 
E, que a sua principal fonte de receita são as contribuições dos trabalhadores e das suas entidades patronais.
 
Ora, as EP vão passar a contribuir menos (7%, parece), sem qualquer discriminação positiva. Isto é, todos os "patrões" (todos os que empregam), os só importem, só exportem ou nem uma coisa nem outra. A mim, por exemplo, o governo resolveu dar-me uns tostões na TSU da funcionária de casa e na do escritório  (são tostões pois só são duas trabalhadoras). Agora, para os grandes empregadores vão ser milhões que íam para a S.S. e com essa medida ficam parte na sua continha no Banco e outra para distribuir entre os seus admnistradores e engrossar as suas participações e contas nos off shores.
 
Bom, valha-nos outros mais pródigos, que têm por hábito, fazer movimentar a economia logo que têm uns lucros fáceis, comprando uns ferraris para a filha ir para a faculdade (foi o primeior acto de comércio que um amigo me deu a conhecer).
 
Estou a ver, e os meus amigos também verão se fecharem bem os olhos, o sr. Belmiro de Azevedo e o Jerónimo Martins a decidirem criar mais uns quantos empregos - com todo o dinheiro que o governo lhes vai por nas mãos - nos seus hipermercados de hiperlucros, pensando no aumento de consumo que se vai verificar devido à diminuição dos salários e aumentos dos impostos (descontos para a S.S. que passaram para os trabalhadoes).
Vai ser um criar de empregos que só visto. Esperem para ver.
Vai ser um aumento das exportações (de capitais, só pode). Esperem para ver.
 

 

Todos clamam por justiça.

 
O membro do Banco Central da Islândia Gylfi Zoega diz que Portugal deve investigar quem está na origem do elevado endividamento do Estado e dos bancos.
 
"Temos de ir aos incentivos. Quem ganhou com isto? No meu País eu sei quem puxou os cordelinhos, porque o fizeram e o que fizeram, e Portugal precisa de fazer o mesmo. De analisar porque alguém teve esse incentivo, no Governo e nos bancos, para pedirem tanto emprestado e como se pode solucionar esse problema no futuro", diz o responsável.
 
Penso que o FMI é útil neste sentido, porque é uma instituição que pode ajudar a coordenar as acções. Existem coisas impopulares que têm de ser feitas, e pode ser utilizada como um bode expiatório para essas medidas impopulares, que teriam de ser aplicadas de qualquer forma. Ajuda os políticos locais a justificar aquilo que podiam não conseguir fazer por eles próprios", diz.

http://economico.sapo.pt/noticias/islandia-defende-investigacao-ao-governo-portugues_117513.html

sábado, 18 de agosto de 2012

Fazer uma rubrica e a ligação ao vermelho |                       



caneta.jpgFazer uma rubrica é firmar, fazer uma assinatura reduzida, abreviada ou ainda cifrada num documento. Usa-se também o verbo rubricar. Mas quer rubrica quer rubricar que hoje usamos na linguagem comum escondem uma interessante origem.

Rubrica vem do latim e era o termo que os romanos usavam para designar a cor vermelha. E daí rubro ou ainda ruborizar, ou seja, corar, ficar vermelho.

Mas, por que razão se chama "rubrica" a uma assinatura abreviada e qual é a ligação ao encarnado?

A explicação encontra-se no Direito. Antigamente era obrigatório que os títulos dos capítulos de Direito Civil e Direito Canónico fossem impressos a vermelho, ou seja, a rubrica e daí passaram a designar-se por rubricas os títulos de éditos e capítulos.

Mais tarde este imprimir a vermelho passou também para os livros religiosos e rubrica passou a sinónimo de capítulo.

Ora, segundo Orlando Neves, à semelhança da marcação de capítulo, a cor vermelha passou também a ser usada para assinalar as observações e notas, destacando-se assim das letras impressas a preto. Devido ao carácter abreviado dessas notas, rubrica passou a ter o significado que tem hoje de uma assinatura reduzida, abreviada.

[Do programa da Antena 1, Lugares Comuns, de Mafalda Lopes da Costa]

NOTA: Costuma ouvir-se dizer erradamente (até por responsáveis ministeriais) a palavra "Rubrica" como se tivesse um acento no "u", como se se escrevesse "Rúbrica". A sílaba tónica é "bri" e, por isso, deve pronunciar-se como se escreve, sem acento.
Para quem duvida de que a educação é pelo exemplo

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Recordando   L'aventure c'est l'aventure

 Como se fazia um engate ... selecto...  hoje só as meninas e os biquinis parecem iguais.      


L'aventure c'est l'aventure, é um filme de culto. Alguns bons malandros acabam por encontrar-se mercê de circunstâncias da vida. O objectivo é obter dinheiro com o menor esforço possível. Começam por descobrir que o rapto compensa quando obtêm um resgate pelo rapto de Johny Hallyday (com a sua conivência). Daí em diante as incursões pela política rendem milhões e os raptos sucedem-se. Nem o Papa se livra de ser raptado.

A cena é de treino e preparação para um engate selecto na praia com Lino Ventura, Lino Massaro, Jacques Brel, Charles Denner, Johnny Hallyday.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Vontade sem limites de aprender.

E quando se conhecem outras com quadros interactivos e aquecimento central...



Portugal, visto por Lobo Antunes  

Cáustico, como sempre, mas com humor. Ora leiam, que não se arrependem.
           

          
           " Nação valente e imortal

Agora, (...) passa uma senhora de saco de compras: não estamos assim tão mal, ainda compramos coisas, que injusto tanta queixa, tanto lamento.
Isto é internacional, meu caro, internacional e nós, estúpidos, culpamos logo os governos.
Quem nos dá este solzinho, quem é?
E de graça.
Eles a trabalharem para nós, a trabalharem, a trabalharem e a gente, mal agradecidos,
protestamos.
Deixam de ser ministros e a sua vida um horror, suportado em estóico silêncio.
Veja-se, por exemplo, o  senhor Mexia, o senhor Dias Loureiro, o senhor Jorge Coelho,
 coitados.
 Não há um único que não esteja na franja da miséria..
 Um único.
Mais aqueles rapazes generosos, que, não sendo ministros, deram o litro pelo País e só por orgulho não estendem a mão à caridade.
O senhor Rui Pedro Soares, os senhores Penedos pai e filho, que isto da bondade as vezes é hereditário, dúzias deles.
Tenham o sentido da realidade, portugueses, sejam gratos, sejam honestos, reconheçam o que eles sofreram, o que sofrem.
Uns sacrificados, uns Cristos, que pecado feio, a ingratidão.
O senhor Vale e Azevedo, outro santo, bem o exprimiu em Londres.
O senhor Carlos Cruz, outro santo, bem o explicou em livros.
E nós, por pura maldade, teimamos em não entender.
Claro que há povos ainda piores do que o nosso:
os islandeses, por exemplo, que se atrevem a meter os beneméritos em tribunal.
Pelo menos nesse ponto, vá lá, sobra-nos um resto de humanidade, de respeito. Um pozinho de consideração por almas eleitas, que Deus acolherá decerto, com especial ternura, na amplidão imensa do Seu seio.
Já o estou a ver
            - Senta-te aqui ao meu lado ó Loureiro
            - Senta-te aqui ao meu lado ó Duarte Lima
            - Senta-te aqui ao meu lado ó Azevedo que é o mínimo que se pode fazer por esses Padres Américos, pela nossa interminável lista de bem-aventurados, banqueiros, coitadinhos, gestores que o céu lhes dê saúde e boa sorte e demais penitentes de coração puro, espíritos de eleição, seguidores escrupulosos do Evangelho. E com a bandeirinha nacional na lapela, os patriotas, e com a arraia miúda no coração. Obrigando-nos a sacrifícios purificadores, aproximando-nos dos banquetes de
bem-aventuranças da Eternidade.
            As empresas fecham, os desempregados aumentam, os impostos crescem, penhoram casas, automóveis, o ar que respiramos e a maltosa incapaz de enxergar a capacidade purificadora destas medidas.
Reformas ridículas, ordenados mínimos irrisórios, subsídios de cacaracá?
Talvez. Mas passaremos sem dificuldade o buraco da agulha enquanto os Loureiros todos abdicam, por amor ao próximo, de uma Eternidade feliz.
A transcendência deste acto dá-me vontade de ajoelhar à sua frente. Dá-me vontade? Ajoelho à sua frente indigno de lhes desapertar as correias dos sapatos.
            Vale e Azevedo para os Jerónimos, já!
            Loureiro para o Panteão já!
           Jorge Coelho para o Mosteiro de Alcobaça,  já!
            Sócrates para a Torre de Belém, já! A Torre de Belém não, que é tão feia. Para a Batalha.
            Fora com o Soldado Desconhecido, o Gama, o Herculano, as criaturas de pacotilha com que os livros de História nos enganaram.
            Que o Dia de Camões passe a chamar-se Dia de Armando Vara.
            Haja sentido das proporções, haja espírito de medida, haja respeito.
            Estátuas equestres para todos, veneração nacional.
Esta mania tacanha de perseguir o senhor Oliveira e Costa: libertem-no.

Voltem a pôr o senhor Dias Loureiro no Conselho de Estado, de onde o obrigaram, por maldade e inveja, a sair.
Quero  o senhor Mexia no Terreiro do Paço, no lugar D. José que, aliás, era um pateta.
Quero outro mártir qualquer, tanto faz, no lugar do Marquês de Pombal, esse tirano.
Acabem com a pouca vergonha dos Sindicatos.
Acabem com as manifestações, as greves, os protestos, por favor deixem de pecar. Como pedia o doutor João das Regras, olhai, olhai bem, mas vêde. E tereis mais fominha e, em consequência, mais
Paraíso.
Agradeçam este solzinho. Agradeçam a Linha Branca.
Agradeçam a sopa e a peçazita de fruta do jantar.
Abaixo o Bem-Estar.
Vocês falam em crise mas as actrizes das telenovelas continuam a aumentar o peito:
 onde  é que está a crise, então?
 Não gostam de olhar aquelas generosas abundâncias que uns violadoresde sepulturas, com a alcunha de cirurgiões plásticos, vos oferecem ao olhinho guloso?
Não comem carne mas podem comer lábios da grossura de bifes do lombo e transformar as caras das mulheres em tenebrosas máscaras de Carnaval.

Para isso já há dinheiro, não é?
E vocês a queixarem-se sem vergonha, e vocês cartazes, cortejos, berros. Proíbam-se os lamentos injustos.
            Não se vendem livros? Mentira. O senhor Rodrigo dos Santos vende e, enquanto vender, o nível da nossa cultura ultrapassa, sem dificuldade, a Academia Francesa.
Que queremos?
Temos peitos, lábios, literatura e os ministros e os ex-ministros a tomarem conta disto.

            Sinceramente, sejamos justos, a que mais se pode aspirar?

           O resto são coisas insignificantes: desemprego, preços a dispararem, não haver com que
            pagar ao médico e à farmácia, ninharias.
           Como é que ainda sobram criaturas com a desfaçatez de protestarem?
Da mesma forma que os processos importantes em tribunal a indignação há-de, fatalmente, de prescrever.
E,magrinhos, magrinhos mas com peitos de litro e beijando-nos uns aos outros com os bifes das bocas seremos, como é nossa obrigação,
            felizes.."
           
            (crónica satírica de António Lobo Antunes, in visão 2012)

domingo, 24 de junho de 2012

José Moreno: Reeleito grão-mestre

José Moreno foi reeleito grão-mestre da maçonaria da Grande Loja Legal  de Portugal numa sessão que reuniu cerca de 400 participantes.



Confesso que nunca percebi bem o facto de haver estes círculos fechados, todos eles confessados democratas e humanistas.
 
Mas, igualmente, até por contradição com os valores apregoados, faz-me confusão o aparato, os títulos, os hábitos e  as vestimentas. Têm como princípio primeiro:
 
 "A Maçonaria é uma Ordem iniciática e ritualistica, universal e fraterna, filosófica e progressista, baseada no livre-pensamento e na tolerância, que tem por objectivo o desenvolvimento espiritual do homem com vista á edificação de uma sociedade mais livre, justa e igualitária."



Como diz sempre um meu colega e amigo: LINDO! LINDO! Quem é contra?

Esta loja é relativamente recente, e resultou, ao que consta, de divergências entre os membro da outra loja, o Grande Oriente Lusitano.
 
É que eles também se zangam!
 
 


 
Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano

sábado, 23 de junho de 2012

Exéquias fúnebres


Caros colegas e amigos:
Cumpro o doloroso dever de comunicar o falecimento do meu (nosso) subsídio de férias. O mesmo encontra-se em câmara ardente nos cofres do F.M.I., da União Europeia e do Banco Central Europeu. As cerimónias fúnebres decorrerão durante estes dias, um pouco por todo o País, nos mais diversos serviços públicos.

Embora não sujeito a autópsia, não subsistem dúvidas de que se tratou de crime e de quem foram os seus autores e cúmplices.

Infelizmente, não foram ainda presos nem serão submetidos a julgamento, a ladroagem política que nos últimos 30 anos contribuiu para este desfecho.

Que nunca descanse em paz.

terça-feira, 12 de junho de 2012

O latim continua uma fonte de conhecimento



Do Latim

O vocábulo "maestro" vem do latim "magister" e este, por sua vez, do adjectivo "magis" que significa "mais" ou "mais que".

Na antiga Roma o "magister" era o que estava acima dos restantes, pelos seus conhecimentos e habilitações!

Já o vocábulo "ministro" vem do latim "minister" e este, por sua vez, do adjectivo "minus" que significa "menos" ou "menos que".

Na antiga Roma o "minister" era o servente ou o subordinado que apenas tinha habilidades ou era jeitoso.

Como se vê, o latim explica a razão porque qualquer um pode ser ministro... Mas não maestro!!!

Data venia Coutinho de Almeida

segunda-feira, 21 de maio de 2012

(Tal como recebi)

Sentença de 1587 - Trancoso, Portugal

Arquivo Nacional da Torre do Tombo

PROCESSO CONTRA O PRIOR DE TRANCOSO


"Padre Francisco da Costa, prior de Trancoso, de idade de sessenta e dois anos, será degredado de suas ordens e arrastado pelas ruas públicas nos rabos dos cavalos, esquartejado o seu corpo e postos os quartos, cabeça e mãos em diferentes distritos, pelo crime que foi arguido e que ele mesmo não contrariou, sendo acusado de ter dormido com vinte e nove afilhadas e tendo delas noventa e sete filhas e trinta e sete filhos; de cinco irmãs teve dezoito filhas; de nove comadres trinta e oito filhos e dezoito filhas; de sete amas teve vinte e nove filhos e cinco filhas; de duas escravas teve vinte e um filhos e sete filhas; dormiu com uma tia, chamada Ana da Cunha, de quem teve três filhas. Total:duzentos e noventa e nove, sendo duzentos e catorze do sexo feminino e oitenta e cinco do sexo masculino, tendo concebido em cinquenta e três mulheres".
Não satisfeito tal apetite, o malfadado prior, dormia ainda com um escravo adolescente de nome Joaquim Bento, que o acusou de abusar em seu vaso nefando noites seguidas quando não lá estavam as mulheres. Acusam-lhe ainda dois ajudantes de missa, infantes menores  que lhe foram obrigados a servir de pecados orais, completos e nefandos, pelos quais se culpam em defeso de seus vasos intocados, apesar da malícia exigente do malfadado prior.



 [INDULTO]

"El-Rei D. João II lhe perdoou a morte e o mandou pôr em liberdade aos dezessete dias do mês de Março de 1587, com o fundamento de ajudar a povoar aquela região da Beira Alta, tão despovoada ao tempo e, em proveito de sua real fazenda, o condena ao degredo em terras de Santa Cruz, para onde segue a viver na vila da Baía de Salvador como colaborador de povoamento português. El-rei ordena ainda guardar no Real Arquivo esta sentença, devassa e mais papéis que formaram o processo".

terça-feira, 15 de maio de 2012

Pai é pai. Agora, um vencimentozinho desses! E manter os subsidio de férias e Natal? E despesas de representação?

sábado, 12 de maio de 2012


.
PEDIDO DE EMPRÉSTIMO


Um advogado de Nova Orleães pediu um empréstimo em nome de um cliente que perdera sua casa aquando do furacão Katrina e queria reconstruí-la.

 Foi-lhe comunicado que o empréstimo seria concedido logo que ele pudesse apresentar o título de propriedade original da parcela da propriedade que estava a ser oferecida como garantia.

 O advogado levou três meses para seguir a pista do título de propriedade datado de 1803.

Depois de enviar as informações para o Banco, recebeu a seguinte resposta.

"Após a análise do seu pedido de empréstimo, notámos que foi apresentada uma certidão do registo predial. Cumpre-nos elogiar a forma minuciosa do pedido, mas é preciso salientar que o senhor tem apenas o título de propriedade desde 1803. Para que a solicitação seja aprovada, será necessário apresentá-lo com o registo anterior a essa data. "

Irritado, o advogado respondeu da seguinte forma:


  “Recebemos a vossa carta respeitante ao processo nº.189156. Verificámos que os senhores desejam que seja apresentado o título  de propriedade para além dos 194 anos abrangidos pelo presente registo. De facto, desconhecíamos que qualquer pessoa que fez a escolaridade neste país, particularmente aqueles que trabalham na área da propriedade, não soubesse que a Luisiana foi comprada, pelos E.U à França, em 1803.

Para esclarecimento dos desinformados burocratas desse Banco, informamos que o título da terra da Luisiana antes dos E.U. terem a sua propriedade foi obtida a partir da França, que a tinha adquirido por direito de conquista da Espanha.

A terra entrou na posse da Espanha por direito de descoberta feita no ano 1492 por um capitão da marinha chamado Cristóvão Colombo, a quem havia sido concedido o privilégio de procurar uma nova rota para a Índia pela rainha Isabel de Espanha.

A boa rainha Isabel, sendo uma mulher piedosa e quase tão cautelosa com os títulos de propriedade como o vosso Banco, tomou a precaução de garantir a bênção do Papa, ao mesmo tempo em que vendia as suas jóias para financiar a expedição de Colombo.

Presentemente, o Papa - isso temos a certeza de que os senhores sabem - é o emissário de Jesus Cristo, o Filho de Deus, e Deus - é comummente aceite - criou este mundo. Portanto, creio que é seguro presumir que Deus também foi possuidor da região chamada Luisiana. Deus, portanto, seria o primitivo proprietário e as suas origens remontam a antes do início dos tempos, tanto quanto sabemos e o Banco também.
 Esperamos que, para vossa inteira satisfação, os senhores consigam encontrar o pedido de crédito original feito por Deus.

Agora, que está tudo esclarecido, será que podemos ter o nosso empréstimo? Que diabo!!!"

O empréstimo foi concedido.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Apenas frases (chegadas por email do amigo Secundino)

"Antigamente as mulheres cozinhavam igual à mãe...
Hoje, estão bebendo igual ao pai!"


"Antigamente os cartazes nas ruas, com rostos de criminosos, ofereciam recompensas;
 hoje em dia, pedem votos".

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Presidente uma vez, presidente toda a vida

.
Presidente uma vez, presidente toda a vida.  Há uns tantos que viveram sempre à custa do erário público, que nem sabem como é fazê-lo de outro modo. São os donos e pais da democracia. (e pelo andar da carruagem, os seus coveiros).
O pobre do condutor que só fez o que o senhor ex presidente mandava ( .!.) mas,... mas, é ele que vai ficar com a carta cassada.


A GNR apanhou a viatura onde seguia Mário Soares a circular a 199 km/hora. A detecção foi feita na A8, que liga Lisboa a Leiria, e tem um limite máximo de velocidade estabelecido em 120 km/hora. Mário Soares, conduzido pelo motorista, terá dito aos agentes da GNR que "o Estado é que vai pagar a multa."

terça-feira, 3 de abril de 2012

A justiça cada vez mais longe.

"Marcelo Rebelo de Sousa afirmou na segunda-feira à noite em Espinho que a ministra Paula Teixeira da Cruz tem «um berbicacho grande» para resolver no que se refere a facilitar o acesso de «pobres e remediados-menos» à Justiça."
Claro que professor Marcelo equivocou-se ou quis ser simpático com a ministra. Pois, na verdade, desde que ela tomou posse, as custas judiciais não têm parado de aumentar. Aumentou o preparo inicial, aumentaram os custos de certidões e actos avulsos, passou a ser sujeito a custas actos que antes o não eram, como é exemplo a reclamação contra o não recebimento de recurso, etc, etc....

A isto, acrescem os impedimentos e dificuldades que criou ao acesso à justiça, designadamente, a restrição na obtenção do apoio judiciário ou a desjusticialização de actos embrionáriamente litigiosos, como os divórcios e inventários, ou o "lavar as mãos que nem Pilatos" ao desastre em que se tornaram as execuções.... tudo vale para baixar as pendências para estrangeiro ver.
Foi o mesmo que sucedeu na educação, lembram-se, simplificar programas, aquisições de competências, ou objectivos mínimos e, no final, a guerra à retenção, pois era o sucesso das estatísticas que importava exibir lá fora.

quarta-feira, 21 de março de 2012

terça-feira, 13 de março de 2012

Democracia


Oração anti-Putin na catedral de Moscovo acaba na prisão
O homem ainda agora acabou de eleito e já rezam para se ir embora!

É verdade, que já por lá andou, na presidência da República e como primeiro-ministro, mas voltou a ser votado! Ou foi tudo batota?

quinta-feira, 8 de março de 2012

domingo, 4 de março de 2012

A democracia também endeusa!

E isso, a mim, perturba-me muito. Perturba-me que o poder representativo do povo seja tão facilmente manipulado

Dois simples exemplos:

1.      Em Timor Lorosae, enquanto Xanana Gusmão era eleito presidente da República, Ramos Horta era eleito primeiro-ministro. No mandato seguinte trocam de lugar, Xanana foi eleito primeiro-ministro e o Horta presidente. (Aliás, com uma ínvia interpretação da Constituição local, pois não foi o seu o partido mais votado).

2.      Na Federação Russa, Vladimir Putin, foi eleito para 2 mandatos de presidente (de 4 anos cada) 2000/2004 e 2004/2008. No mandato seguinte vai para primeiro-ministro e Dmitri Medvedev é eleito presidente (2008/2012). Agora, de novo, voltam a trocar, Putin acabou de ser eleito presidente e já declarou que Medvedev será primeiro-minstro. Falta acrescentar que antes, conseguiram mudar a lei fazendo aumentar o mandato para 6 anos.

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

O artista versus Hugo

A atribuição dos óscares trouxe um inesperado equilíbrio  entre os filmes: "O artista" e "Hugo" (empate 5-5).
São dois filmes muito diferentes entre si e que só os verdadeiros amantes da sétima arte saberão valorizar.
(claro é uma opinião, muito pessoal)

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Reformas na Suíça com tecto máximo de 1700 euros 

Na Suíça, ao contrário de Portugal, não há reformas de luxo. Para evitar a ruína da Segurança Social, o governo helvético fixou que o máximo que um suíço pode receber de reforma são 1700 euros. E assim, sobra dinheiro para distribuir pelas pensões mais baixas.

Aqui



segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Quando a dívida não paga era crime

.
‎1. Nas dívidas (de dinheiro), confessadas em juízo, e julgadas judicialmente, conceda-se ao devedor 30 dias para pagar.
2. Decorrido esse prazo, tenha lugar a manus injectio e seja o devedor conduzido a juízo.
3. Se o réu não cumprir a sentença, nem apresenta um fiador, leve-o o credor consigo, amarrado com uma corda, ou com uma corrente nos pés não inferior a 15 libras, ou mais, se o credor assim o entender.


 LEI DAS XII TÁBUAS (Tábua III) - A mais antiga lei escrita no mundo (Sec. V a.C.)

verdade e mentira, tão perto que se confundem.

Freguesia(s): Sé, PORTO


Lugar, bairro: Centro Histórico do Porto



Escadas das Verdades com a Ponte Luís I, ao fundo.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Ser juíz... visto por um juíz


Data venia, transcrevo o comentário do juiz Pedro Soares Albergaria, no Blog «Sine Die», a propósito do Juíz espanhol Baltazar Garzón.

«Os juízes do STE não foram piegas

Numa sociedade democrática julgar implica estrita obediência à Lei e à Constituição; implica não escutar à margem da lei, ainda que os escutados ou os seus mandantes possam ser pessoas desagradáveis ou até repugnantes; implica não avançar com processos por crimes prescritos e/ou amnistiados, por muito hediondos que fossem, como efectivamente foram. Implica ser juiz e não historiador
e menos ainda justiceiro. Respeitar a Lei e a Constituição pressupõe também, por vezes, não "aparecer", negar o vedetismo, não ser e nem querer ser "super". Esse é um dos mais graves vírus que pode infectar um juiz. Foi tão só isso que sete juízes do STE, sem medo das brigadas dos que confundem política com justiça, explicaram hoje de modo unânime».





Interessante explicação acerca de moral e ética