domingo, 20 de setembro de 2009

"ser-se tolerante é ainda insuficiente"

"(...) é fácil - embora se vá tornando raro - ser-se solidário com os outros. Difícil é sermos os outros. Nem que seja por um instante, nem que seja de visita. (...) Dizemos que somos tolerantes com as diferenças. Mas ser-se tolerante é ainda insuficiente. É preciso aceitar que a maior parte das diferenças foi inventada e que o Outro (o outro sexo, a outra raça, a outra etnia) existe sempre dentro de nós."
in Mia Couto, e se Obama fosse africano e outras interinvenções, Caminho, 2ª ed., 2009, p.143.

2 comentários:

  1. Por haver dificuldade
    Em se ser tolerante
    É que o mundo vai assim
    Numa incerteza constante

    Ser solidário também
    Não se faz muito de gosto
    O que quase todos queremos
    É proteger nosso rosto

    Claro que o "Outro" existe
    Mas se Eu aceito a diferença
    Consigo ser mais feliz
    E lido melhor com a "crença"

    Há muita trabalho a fazer
    Digo eu e muita gente
    Que acredita que: depois um dia!
    Há-de vir outro diferente...

    Áurea

    ResponderEliminar
  2. Afinal, no início era o "Verbo" e um só pai e uma mãe, para quem crê, Adão e Eva. As pretensas diferenças vieram depois. Ser-se solidário e tolerante são estados de alma que nos harmonizam com o meio e com o universo, mas acredito que nem sempre é fácil a todos e em todas as circunstâncias proceder em conformidade.

    ResponderEliminar

Interessante explicação acerca de moral e ética