terça-feira, 13 de setembro de 2011

Bandeiras de países endividados a meia haste


O comissário europeu da Energia, o alemão Gunther Oettinger, disse que “as bandeiras dos pecadores da dívida poderiam ser colocadas a meia haste nos edifícios da União Europeia”, como meio dissuasor.

Antigamente, punham-se-lhe umas orelhas de burro no menino. O que importava era que sentisse a ostracização dos outros e o olhar de reprovação sobre o infrator.
 
Agora, vem um papalvo nazi, defender que os países em dificuldades financeiras devem ter as bandeiras a meia haste para que todos lhes possam ver as orelhas descaídas e sentirem a superior reprovação dos endinheirados. 
 
Meus amigos, este exemplo mostra como é certo que os ratos são sempre os primeiros que saem à rua, mas também mostra como começa a evidenciar-se que o vírus parece que se vai pegando!

Atenção, por isso, aos raticidas e outros desinfetantes, agentes de limpeza e repelentes.

2 comentários:

  1. “as bandeiras dos pecadores da dívida poderiam ser colocadas a meia haste nos edifícios da União Europeia”
    Não concordo!!!
    Concordo com grandes cartazes nos aeroportos, estradas nacionais e outros lugares públicos com fotografias daqueles que foram os culpados das dividas e, fugiram dos seus Países para férias ou cargos importantes.

    Abraço
    Paulo

    ResponderEliminar
  2. E também os que não fugiram e continuam nos países que prejudicaram com as suas incompetências, desvarios, vigarices ou roubos.

    ResponderEliminar

Interessante explicação acerca de moral e ética