sexta-feira, 10 de dezembro de 2010


Com devida vénia do amigo Tomaz Borges.

"A diplomacia era, até há bem pouco tempo, uma arte e uma actividade para gente com " punhos de renda ", isto é, para gente fina e de trato delicado.

Daí a expressão: aquele cavalheiro é um diplomata!

O Julian Assange tem andado a estragar a pintura toda e pôr a nu banalidades, evidências, hipocrisias, trapacice e expor algumas extravagâncias das diplomacias.

E quem tem medo? E quem tem necessidade da sua prisão e do seu silêncio? E quem é que o quer calar?

Como jornalista exerceu um direito, o direito de informar e esclarecer o que se passa nos meandros das relações entre estados e a riqueza linguística e artística de alguns dos protagonistas e representantes dos estados.

(... Depois, é a democracia e o poder a funcionar.)

O tio SAM ordena e a QUEEN cumpre e faz!"

As barreiras nem sempre estão bem definidas, mas não haverá já lugar à existência e à necessidade de recato de segredos de Estado?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Interessante explicação acerca de moral e ética