quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Uns mais iguais que outros

se sabia que a austeridade não era igual para todos. Que não era sobretudo para o empregador, capitalista, investidorcomo o é, especialmente, para quem tem como rendimento principal ou exclusivo um salário, pensão ou prestação social, que verão diminuído a partir de Janeiro próximo.

Mas, afinal, haverá mais felizardos.

No princípio, o ministro das finanças anunciou o corte salarial na função e administração pública;
A seguir, veio dizer que os cortes salariais deveriam ser estendidos ao sector privado;

Agora, veio-se excepcionar as empresas públicas de capital exclusiva ou maioritariamente público, as entidades públicas empresariais e as entidades que integram o sector empresarial regional ou municipal. A desculpa utilizada (poderia ter sido outra qualquer) foi o do risco de fuga de quadros (como só destas pudessem fugir).

Tudo isto, e ainda não se iniciou a execução do orçamento.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Interessante explicação acerca de moral e ética