quinta-feira, 29 de abril de 2010

Intervalo na legiferação


Ontem, os senhores funcionários da Assembleia da República fizeram greve, vai daí, todo o agendamento do trabalho dos senhores deputados foi suspenso, presumo, pelo senhor presidente da Assembleia.

Surpreendente!

Será que não houve serviços mínimos que permitissem os trabalhos dos deputados? Ou o poder legislativo ainda não é serviço público essencial e por isso ali não há serviços mínimos; Ou havendo-o, este não seria suficiente para garantir o labor dos senhores deputados? Ou foi porque se trata da feitura de leis e coisas semelhantes e estas não terem pressa? Ou foi porque as leis já estão encomendadas, e aos deputados basta uma sessão de tempos a tempos, conforme elas cheguem feitinhas, para aprovarem tudo por apanhado? Ou foi por saber bem gozar mais um dia de descanso à boleia da greve dos funcionários? Ou foi...

Bom, seja como for, o que vou pedindo é que os funcionários dos ministérios do governo não façam greve, senão!... Lá ia o governo também suspender a sua actividade...

Sempre se cumpriria a rábula da guerra do grande Solnado, quando ao telefone mandava suspender a guerra para todos irem alomoçar ou dormir.

2 comentários:

  1. De facto Manuel Afonso,
    É caso para nos questionarmos e as questões são intermináveis!
    Tiro certeiro!
    Manuela

    ResponderEliminar
  2. Para mim é de uma grande perplexidade.

    ResponderEliminar

Interessante explicação acerca de moral e ética