domingo, 28 de junho de 2009

Na Ágora

O Governo tem uma golden share na PT, e vem-na mantendo mesmo contra as directivas da Comissão Europeia que, amiúde, ameaça accionar Portugal no Tribunal Europeu.

[Uma golden share é uma participação accionista detida pelo Estado num empresa, que apesar de ser minoritária confere poderes especiais, designadamente o de poder eleger um terço do número total de administradores, incluindo o presidente, ter a capacidade de veto sobre alterações de estatutos, definição da estratégia e políticas, detendo uma palavra determinante no que toca à definição dos princípios gerais de política de participação em sociedades, leia-se, na compra e venda de empresas. JN]

Pelo menos, durante a campanha eleitoral para o Parlamento Europeu, membros do governo manifestaram-se contra excessos da TVI.

Pelo menos há mais de 15 dias que se vinha falando, na comunicação social, da compra da Media Capital, que detém a TVI, pela Portugal Telecom, onde o governo tem uma golden share.

Depois mesmo daquele conhecimento público, interpelado o governo, veio dizer que desconhecia o negócio.

Finalmente, presumivelmente perante o coro de indignações, veio exercer o direito de veto e obstaculizar o negócio.
Nada demais, portanto!
À mulher de César não basta ser séria, tem também de parecê-lo.

7 comentários:

  1. Pelo que entendi o Governo, em campanha, foi desfavorável a TVI ("despistou") e depois desta campanha, além de convenientemente omisso, quis preservar o seu interesse, justamente, focado nessa mesma empresa TVI, que havia difamado. Se assim acertei, aí tem...!!
    Bjs,

    ResponderEliminar
  2. Do meu ponto de vista, nem o governo, nem a PT saem mal desta história. A “golden share” é muito anterior à intenção de comprar parte da TVI, por parte da PT. Aliás, um número muito significativo de figuras do PSD esteve sempre a favor desta “fatia dourada” na PT. A questão da “golden share” é, por isso, anterior e essa é que ficou mal resolvida.
    Quanto à posição do governo, ela só podia ser uma de duas: ou não intervinha e era criticado por isso, ou travava o negócio e também era criticado.
    Zeinal Bava foi quem melhor reagiu a todo este enredo: mostrou que é um indivíduo muito inteligente, deu uma entrevista brilhante e retirou à transacção toda a carga política que lhe queriam atribuir.
    Brilhante, este senhor!

    ResponderEliminar
  3. Olá Ana Lúcia, sempre oportuna e certeira.
    Bjs.
    Austeriana;
    Concordo com o que dizes. Aliás, este problema da golden share, como deixo transparecer, é assunto do Estado Português e atravessou outros governos e tem muitos outros defensores. A perplexidade, se lhe podemos chamar assim, tem a ver não com segundas intenções inconfessadas,(por isso mesmo, não concretizadas) mas com a negação pública de um negócio que não podiam (pelo menos não deviam) desconhecer.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Manel,
    O governo só podia saber! Quem disse que desconhecia o negócio foi o “novo” Sócrates, homem “sensível e humilde”... O Sócrates “animal feroz” já o conhecia há muito tempo!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. Cada dia que passa há uma "novidade" pior do que a outra.
    Já não há paciência!...
    Tens um "Miminho" no meu blog. É só passar por lá e ir buscá-lo.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Estive por aqui em visita ao seu blog! Abraços Ademar!!

    ResponderEliminar

Interessante explicação acerca de moral e ética