sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Passagem das Ordenações Filipinas, durante a ocupação espanhola, de Portugal:

"Toda a pessoa, de qualquer qualidade que seja, que peccado de sodomia per qualquer maneira commetter, seja queimado, e feito per fogo em pó, para que nunca de seu corpo e sepultura possa haver memoria, e todos seus bens sejam confiscados para a Corôa de nosso Reinos, posto que tenha descendentes".


Sodomia, era então entendido como a prática de crimes sexuais "aberrantes" (na época, homossexualidade, sexo anal, estupro colectivo, animais, etc).

A designação, crê-se, virá da interpretação dada ao episódio bíblico de Sodoma e Gomorra segundo a qual estas foram destruídas, como castigo, pelas práticas imorais dos seus habitantes.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

sexta-feira, 20 de junho de 2014

quinta-feira, 24 de abril de 2014

.
Quando Deus fez o mundo, para que os homens prosperassem decidiu dar-lhes apenas duas virtudes.
Assim:
- Aos Suíços os fez estudiosos e respeitadores da lei
- Aos Ingleses, organizados e pontuais..
- Aos Argentinos, chatos e arrogantes (?)
- Aos Japoneses, trabalhadores e disciplinados.
- Aos Italianos, alegres e românticos.
- Aos Franceses, cultos e finos (?)
- Aos Portugueses, inteligentes, honestos
e políticos.

O anjo anotou, mas logo em seguida, cheio de humildade e de medo, indagou:

- Senhor, a todos os povos do mundo foram dadas duas virtudes, porém, aos portugueses foram dadas três! Isto não os fará soberbos em relação aos demais povos da terra?

- Muito bem observado, bom anjo! exclamou o Senhor.
- Isto é verdade!
- Façamos então uma correção! De agora em diante, os portugueses, povo do meu coração, manterão estas três virtudes, mas nenhum deles poderá utilizar mais de duas simultaneamente, como os demais povos!

- Assim, o que for político e honesto, não pode ser inteligente.

- O que for político e inteligente , não pode ser honesto.
- E o que for inteligente e honesto, não pode ser político.!!!!!!

.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014


BRINCANDO...
 
Depois de arrumar toda a bagagem do Papa FRANCISCO, o motorista reparou que o Papa ainda se encontrava no exterior do veículo.

--"Desculpe-me Sua Santidade", disse o motorista, "Não se importa de ocupar o seu lugar para que possamos seguir?".

--"Bem, para dizer a verdade", diz o Papa, "No Vaticano nunca me deixavam conduzir quando era Cardeal, como Papa ainda menos, e apetecia-me mesmo conduzir hoje!"

--"Desculpe-me Sua Santidade, mas não posso fazer isso. Perderia o meu emprego! E se acontecesse alguma coisa?" protestou o motorista, desejando não ter ido trabalhar nessa manhã.

--"E quem é que vai contar? diz o Papa com um sorriso.

Relutantemente, o motorista senta-se atrás, enquanto o Papa ocupa o lugar ao volante.

O motorista imediatamente se arrepende pois, mal deixam o aeroporto o Papa mete o prego a fundo acelerando a limusina até aos 205 km/h.

.--"Por favor, Sua Santidade!" implora o preocupado motorista; mas o Papa continua com o prego a fundo até que se ouvem sirenes.
--"Oh, meu Deus, vou perder a minha carta de condução e o emprego!", soluçava o motorista.

O Papa encosta a limusina e desce o vidro quando o polícia se aproxima;

Quando este olha para ele, regressa à mota e estabelece contacto rádio com a Central.

--"Preciso de falar com o Chefe", informa ao operador.
O Chefe responde e o guarda diz-lhe que mandou parar uma limusina que seguia a 205 km/h.

--"Então aplica-lhe a multa", diz o Chefe.

--"Não creio que devamos fazer isso, ele é mesmo importante", diz o polícia.

O Chefe exclama, "Por isso mesmo, multa o safado!"

--"Não, é que é MESMO importante", insiste o guarda.

Então o Chefe pergunta, "Quem tens aí, o Presidente da Câmara?"

E o polícia: "Mais alto".

O Chefe: "Um deputado?"

Polícia: "Mais importante".

Chefe: "O Primeiro Ministro?".

Polícia: "Muito mais!".

--"Bolas", diz o Chefe, "Então quem é?".


O polícia: "Acho que é Deus!"

O Chefe fica atrapalhado, "E o que te leva a pensar que seja Deus?".

Polícia: "É que o motorista Dele ... é o Papa!".

Interessante explicação acerca de moral e ética