terça-feira, 9 de abril de 2013

A Realidade
 
A realidade só pode ser uma. É o que acontece e não o que queremos ou não queremos que aconteça. A narração da realidade só pode ser uma, única, exclusiva e irrepetível.
 
Quando me falam em diversas narrativas (como o fez o antigo 1º ministro Sócrates), lembro-me dos belos romances que li, belas ficções (dissimulação, fingimento, invenção fabulosa ou engenhosa), excelentes criações dos seus autores.
 
Claro que todos sabemos que pode haver condicionantes que impedem a correcta percepção da realidade. A mais comum é a distracção, mas pode ser mais profunda e resultar de incapacidade acidental, de truques ou mesmo doença, que mantenham permanentemente a ilusão da realidade.
 
Pode até suceder de ilusão de óptica, como na imagem que segue:
 
 

Descrição de realidade (num qualquer dicionário):

"realidade
(real + -idade)
s. f.
1. Qualidade do que é real.
2. Existência de facto.
3. O que existe realmente; coisa real.
4. Conjunto de todas as coisas reais. = REAL
em realidadeo mesmo que na realidade.FANTASIA, FICÇÃO, IRREALIDADE
na realidaderealmente, na verdade, com efeito.
ocultar a realidadeesconder (o jogo).
realidade virtualambiente de simulação ou recriação do real que resulta da utilização de tecnologia informática interactiva.."

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Era uma vez um rei que queria ir pescar.
Ele chamou o seu meteorologista e pediu-lhe a previsão do estado do tempo para as próximas horas. Este assegurou-lhe que não iria chover .
Como a noiva do monarca vivia perto de onde ele iria, ele colocou o seu fato mais elegante. No caminho, ele encontrou um camponês montando seu burro que viu o rei e disse:
- "Majestade, é melhor regressar ao palácio porque vai chover muito."
 
É claro que o rei ficou pensativo:
- "Eu tenho um meteorologista muito bem pago que me disse o contrário. Vou seguir em frente. "
E assim fez ... e, claro, choveu torrencialmente.

O rei ficou encharcado e a namorada riu-se dele ao vê-lo naquele estado.

Furioso voltou para o palácio e despediu o seu empregado.

Ele convocou o camponês e ofereceu-lhe o trabalho de meteorologista, mas este disse-lhe:
 
- "Senhor, eu não entendo nada disso, mas se as orelhas do meu burro estão caídas, significa que vai chover "

Então o rei contratou o burro.
Assim começou o costume de contratar burros para as posições mais bem pagas na política, no governo e nas suas empresas. 

Interessante explicação acerca de moral e ética